Então

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Julio Cortázar



Por Danilo Corci
02/09/2002

Falar de Julio Florencio Cortázar é quase uma temeridade. Este argentino foi e ainda é um dos maiores mitos da literatura moderna. Seus textos, como "Jogo da Amarelinha" são um assombro até hoje.

Julio Cortázar nasceu em 1914, na cidade de Bruxelas, na Bélgica, local onde seus pais residiam. Em 1916, sua família se mudou para a Suíça, onde ficaram refugiados durante a Primeira Grande Guerra Mundial. Dois anos depois, eles retornaram para a Argentina.
Aos nove anos de idade, Cortázar escreveu seu primeiro livro, um passo além para aquele garotinho que já fazia poesias. Devido a sua precocidade, seus pais desconfiaram da autoria dos escritos, fatos estes que marcou o pequeno durante muitos anos.
O ano de 1932 trouxe o diploma da escola normalista para Cortázar, o que lhe conferia o direito de ser professor. Neste mesmo ano, resolveu viajar para a Europa com um grupo de amigos em navio-cargueiro. O resultado foi pura frustração. O fracasso da expedição rendeu um conto, "Um Lugar Chamada Kindberg".
Em 1938, Cortázar publicou o seu primeiro livro, intitulado "Presencia", sob o pseudônimo de Julio Dinis. Em 1944, ele se mudou para Cuyo, em Mendoza, onde se tornou professor de Literatura Francesa na universidade local. Seu conto "Bruxa" foi publicado no Correo Literario. Este período marcou seu engajamento político, onde participou ativamente de campanhas contra o general Perón. Em 1946 publicou "A Casa Tomada" em Los Anales de Buenos Aires, cuja a direção editorial era do monstro sagrado Jorge Luis Borges.
Ainda em 1946, Cortázar publica um ensaio sobre o poeta inglês John Keats na Revista de Estudios Clássicos de la Universidad de Cuyo. 1947 foi a data de lançamento de "Bestiário". Em 1949, publicou "Os Reis", um poema dramático, o primeiro a sair com seu nome verdadeiro. Foi ignorado pelos críticos. No mesmo ano ainda escreveu "Divertimento", seu primeiro romance. Porém, o livro só viria a ser publicado em 1986, dois anos após sua morte.
Uma coletânea de contos, "Final de Juego", foi lançada em 1956. Esta compilação contém "Los Venenos", que Cortázar considera autobiográfico. No mesmo ano, traduziu várias obras de Edgar Allan Poe. Em 1959 lançou "Las Armas Secretas", que incluía o conto "El Perseguidor". Esta história modificou deveras o estilo do autor. "Foi uma iluminação. Terminei de ler o artigo (que anunciava a morte de Charlie Parker) e no dia seguinte, ou no mesmo dia, não me lembro, eu começei a estória, porque eu sabia imediatamente que ele era o personagem que eu estava procurando", comentou o gênio. Neste ponto, Cortázar enfrentava uma questão existencial, um problema humano, que se expandiria depois em "Los Premios" e em "Rayuela".
Em 1961, Cortázar visita Cuba pela primeira vez. Foi quando realmente se fascinou pela política. No mesmo ano teve um livro traduzido para o inglês. Em 1962, lança "Historias de Cronopios y Famas in Minotauro". 1963 marcou o lançamento de "Rayuela". Cinco mil cópias foram vendidas no mesmo ano. Em 1966 sai o volume "Final del Juego". Seu artigo "Para Llegar a Lezama Lima" é publicado na revista "Union", em Havana. Cortázar decidi levar a série seu comprometimento pela libertação da América Latina.
Já em 1967 lança "La Vuelta al día en Ochenta Mundo", com contos, crônicas, ensaios e poemas. Segundo Cortázar, o livro foi concebido em homenagem a Júlio Verne mas de maneira indireta. Em 1968 sai o romance "62, Modelo Para Armar" que foi recebido com espanto pela crítica. Publica ainda no mesmo ano um livro sobre Buenos Aires com fotos de Sara Facio e Alicia D''''Amico.
"Ultimo Round" sai em 1969. Em 1970, sai o volume "Relatos". "Pameos y Meopas", com poemas datados de 1944 a 1958 sai em 1971. em 1979, Cortázar viaja para a Nicarágua e se engaja na luta sandinista. Em 1981, ele ganha nacionalidade francesa. Neste mesmo ano descobre que tem leucemia. Em 1982, sua esposa, Carol Dunlop morre. No ano seguinte, publica "Los Autonautas de La Cosmopista", escrito em parceria com sua mulher, e cede os direitos autorais para o governo sandinista da Nicarágua.
Em 12 de fevereiro de 1984, Julio Cortázar morre devido a complicações de sua leucemia. Seu corpo está enterrado no cemitério de Montparnasse, na França, onde sua esposa também descansa. Mas sua morte não calou sua literatura. "Jogo da Amarelinha", por exemplo, é um dos maiores clássicos da literatura do século 20. E eternamente, Julio Cortázar permanecerá no imaginário da ficção textual.

Fontes: - Enciclopédia Britannica - site Mundolatino.org

toco tu boca


toco tu boca (cap. 7 de Rayuela)

Toco tu boca, con un dedo toco el borde de tu boca, voy dibujándola como si saliera de mi mano, como si por primera vez tu boca se entreabriera, y me basta cerrar los ojos para deshacerlo todo y recomenzar, hago nacer cada vez la boca que deseo, la boca que mi mano elige y te dibuja en la cara, una boca elegida entre todas, con soberana libertad elegida por mí para dibujarla con mi mano por tu cara, y que por un azar que no busco comprender coincide exactamente con tu boca que sonríe por debajo de la que mi mano te dibuja.

Me miras, de cerca me miras, cada vez más de cerca y entonces jugamos al cíclope, nos miramos cada vez más de cerca y nuestros ojos se agrandan, se acercan entre sí, se superponen y los cíclopes se miran, respirando confundidos, las bocas se encuentran y luchan tibiamente, mordiéndose con los labios, apoyando apenas la lengua en los dientes, jugando en sus recintos donde un aire pesado va y viene con un perfume viejo y un silencio. Entonces mis manos buscan hundirse en tu pelo, acariciar lentamente la profundidad de tu pelo mientras nos besamos como si tuviéramos la boca llena de flores o de peces, de movimientos vivos, de fragancia oscura. Y si nos mordemos el dolor es dulce, y si nos ahogamos en un breve y terrible absorber simultáneo del aliento, esa instantánea muerte es bella. Y hay una sola saliva y un solo sabor a fruta madura, y yo te siento temblar contra mí como una luna en el agua.
................
Quer mais..http://www.juliocortazar.com.ar/

Um comentário:

Bruno disse...

Vocês estão sabendo!!Acho muito legal divulgar esse vento!!!Acho interessante leitores e escritores saberem muito sobre esse mestre.
Mostra analisa obras de Julio Cortázar que viraram filmes

A Caixa Cultural apresenta a mostra em DVD “Encontro de Cronópios”, sobre o escritor Julio Cortázar e a adaptação de suas obras para as telonas. Nela, o leitor, o cinéfilo e o curioso terão a chance de conhecer, discutir e viajar na obra de Cortázar, sob a ótica de quem transportou sua literatura para o cinema.

Diariamente, diretores de cinema como Roberto Gervitz e Guilherme de Almeida Prado e escritores como Eric Nepomuceno, David Arrigucci Junior e Roberta Gianninni, além do crítico de cinema José Carlos Avellar, vão bater um papo cabeça – com a participação do público – em torno da obra de Julio Cortázar, focada nos filmes que fazem parte da mostra. A leitura de contos dramatizados, que completa o ato, será feita pelos atores Thelmo Fernandes, Júlio Adrião e Gregório Duvivier.

A Mostra “Encontro de Cronópios” é uma realização do Coletivo João do Rio, com patrocínio da Caixa Cultural e ocorre entre os dias 5 e 10 de abril, no Cinema 2 da Caixa Cultural (Avenida Almirante Barroso, 25, Centro). A entrada esta custando R$ 2,00 meia e R$ 4,00 inteira vale a pena.




Dúvidas ou sugestões não deixem de visitar o site WWW.encontrodecronopios.com.br