Então

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Centenário de Carmen Miranda



Há cem anos, nascia em Portugal a cantora que se transformou num ícone de brasilidade com suas roupas de baiana e frutas tropicais na cabeça.



Carmem Miranda nasceu Maria do Carmo Miranda da Cunha, na aldeia Várzea da Ovelha, em Marco de Canaveses, no dia 9 de Fevereiro de 1909.

Com apenas um ano de idade mudou-se para o Brasil com a família, que desembarcou no Rio de Janeiro, tal como aconteceu com milhares de emigrantes que, no início do século passado, fizeram da então capital do Brasil a segunda maior cidade portuguesa do mundo.

Maria do Carmo, que passou a ser chamada de Carmem pelo pai, um apaixonado por óperas, começou a trabalhar cedo numa loja de chapéus.

Conta-se que ela perdeu o primeiro emprego porque cantava muito durante o trabalho. Gostava tanto de cantar que costumava apresentar-se em festas e nas casas de conhecidos.

Foi numa destas reuniões que seu talento foi descoberto. Mas, além de talento, Carmem Miranda teve a sorte de ser a mulher certa no momento certo.

A rádio começava a tornar-se um veículo de massa no Brasil, surgiam os primeiros compositores de samba, e a música popular brasileira, até então menosprezada pela elite, conquistava seu espaço.

O primeiro sucesso de Carmem Miranda foi a gravação da marchinha de carnaval "Pra você gostar de mim", em 1928. A partir daí, não parou mais.

No final da década de 30, ela vestiu-se de baiana a para interpretar a canção "O que é que a baiana tem?", do então iniciante compositor Dorival Caymmi. Estava criada a imagem que consagrou Carmem Miranda.



Num de seus shows no Casino da Urca, no Rio de Janeiro, chamou a atenção do empresário norte-americano Lee Schubert, na época muito influente nos teatros de Nova Iorque.

Foi convidada para apresentar-se na Broadway e, mesmo cantando em português, conquistou os americanos.



Fez sucesso nos Estados Unidos e deixou ressentimentos no Brasil. Foi chamada, por alguns jornalistas, de ingrata e "americanizada", mas nunca perdeu o amor dos fãs brasileiros, que se orgulhavam do sucesso da artista que protagonizou 13 filmes em Hollywood. Em todos eles Carmem Miranda sempre dizia algumas frases ou cantava alguma música em português.

Ela carimbou seus pés na calçada da fama, mas sua vida não foi só glamour.

Carmem Miranda casou-se com o americano David Sebastian, que se tornou seu empresário.

Problemas no casamento e a enorme pressão do trabalho deixaram-na dependente dos barbitúricos, que ela misturava com álcool e tabaco.

O coração da cantora que era chamada de "a pequena notável" não aguentou: parou de bater numa noite de Agosto de 1955. Ela morreu em seu quarto, numa mansão de Beverly Hills, depois de um jantar onde cantou para a mãe e um grupo de amigos.
Naquela noite, a cantora de músicas alegres cantou fado.

Um comentário:

Junior disse...

A pequena notável( luso-brasileira) jamais será esquecida por nenhum brasileiro que sabia e sabe diferenciar o bom do ótimo, e ela foi ótima.